São palavras que brilham

Dakruoen gelasasa, de brilho líquido e visco luzidio, que não soa a nada que eu conheça ou alguma vez tenha ouvido. Dakruoen gelasasa, que é como quem diz, da maneira como Andrómaca apertava Astíanax nos seus braços enquanto fitava o marido condenado. Que é como quem diz, sorrindo por entre lágrimas.

Por isso mesmo emprega Thackeray esta locução num capítulo da Vanity Fair intitulado Nascimentos, Casamentos, e Mortes (LXVII).  Sem nomear o Poeta directamente, ele permitiu que uma das suas personagens sublinhasse o ensinamento por meio de uma interjeição um tanto sonhadora, tão em voga nesses resguardados dias. Sorrindo por entre lágrimas é um instante da condição humana que se tem por imperecível, um estado de contínua ambiguidade que pode cobrir uma parcela ou uma vida. Por nascimentos, através de casamentos, e perante a morte.

Tenho ideia de que a mesma expressão é empregue por Helena, mas sou demasiado fraco para ler o original. A bondade dos tradutores terá de servir por agora, tanto mais que não foi capaz de esconder a suprema beleza desta imagem. Há palavras que insistem em brilhar, por mais que as ocultemos atrás de intertextualidades ou reinterpretações. Dakruoen gelasasa. Pois bem, é isso mesmo.

Com as etiquetas ,

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: