Validade -> Utilidade -> Valor

O facto de que frequentemente figuras humanamente válidas, mas sem utilidade, diga-se lesivas à sociedade, devam perecer, deverá ser inscrito no balanço de taxas moderadoras da grande transformação da sociedade.

Ou, como eu a encontrei (e porque frais d’entretien é uma coisa arcana para mim):

Le fait que très souvent des figures humainement valables, mais sans utilité, voir nuisibles à la societé, doivent périr, est à mettre sur le compte de frais d’entretien de la grande transformation de la societé.

Reflexões sobre Cervantes e Sholokhov

György Lukács, 1952

Agora como permitir que isto explique o papel de Dom Quixote – como penso que o admiravelmente faz – sem permitir que me explique de igual modo? O horror que isto me provoca é feito de uma combinação entre fatalidade arítmética de um olhar lúcido e aquela dose gélida de razão que assiste aos arautos de uma verdade difícil. Não concordo e não concordo, mas estou demasiado fraco para encetar o raivoso desmantelamento que me pautaria num dia de melhor disposição. Por agora, talvez só me reste ser Sancho Pança.

Curiosos os caminhos do coração que estrangulam a mente. Tenho de aprender a pensar para além da minha carne e da minha mente variável. Mas isto em já nada honra a terrível e certeira observação de Lukács.

 

Com as etiquetas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: