I – Paris sera toujours Paris

Quando me faço à estrada, o sol começa a romper a escuridão do firmamento. Há muito diluiu as estrelas. A alvorada, bem como a partida, faz-se sob uma neblina de luz tépida e macia. Teria preferido partir na noite da véspera, no último voo, mas as malhas da vida do macilento assalariado em perpétua isenção de horários não o permitiram.

Sábado! Metade-prazer, metade-negócios, seria assim que eu justificaria a minha visita ao controlador de alfândegas que hoje já não acosta os viajantes dos aeroportos que provenham de países ditos civilizados. A este monólogo interior segue-se o habitual périplo de RER até Chatêlet, depois a continuação até à Étoile, sempre debaixo do solo. É descer a Wagram, enveredar pela Brey, esbarrar contra o hotel, subir ao quartinho sem incidentes.

De fato e gravata compostos, parto para a parcela de negócios do fim de semana no Hôtel de Gallifet. Zona majestosa de palacetes privados e embaixadas aferrolhadas. O instituto cultural italiano não é excepção, e só as credenciais da minha clique académica me permitem a franquia ao seu pacatíssimo interior. Aí, encontro instalada uma modesta mas proveitosa Biblioteca Italo Calvino, e descubro que, naquele mesmo local, teve lugar um curioso encontro entre a inacreditável Madame de Staël e Bonaparte. Já nem falo do ministério de Tayllerand, que tem o seu nome mais associado às linhas de Varenne do que Haussman ao seu Boulevard.

No salão nobre, e na companhia dos mestres, discute-se as teses que têm de ser discutidas, debate-se a escolha de lei e de foro, distribuem-se as graduações alcançadas. Há troca de cartões. No final, um verre d’honneur, évidemment. Pois não estamos em França, mesdames messieurs?

Cai a noite e procuramos um restaurante de consenso pelos lados de St. Germain. Sentamo-nos, repastamo-nos. Patriarcalmente instalado, o venerando catedrático de Pádua e digníssimo Avvocato do foro de Milão – que algumas horas antes nos citava Dante de memória a propósito da eternidade e dos notários – escolhia agora a sua refeição com interjeições espontâneas e apaixonadas pela fonética culinária gaulesa. Boeuf bourgninon, clamava! L’île flotante, exclamava, con molto gusto e uma entoação musical.

Não há lugar a grandes aventuras depois da refeição. Estou éppuisé. Regresso das profundezas de Odeon, subo ao meu quarto, e preparo-me para a primeira noite de sono em dois dias. Baudelaire está na mesinha de cabeceira.

Com as etiquetas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: