“Vejam só o que deitou ao mundo um abelheiro qualquer!”

Poderá um homem criar folclore?

Não por definição. Mas em Noites Na Granja Ao Pé de Dikanka assiste-se a uma construção fabular que não sentiria a menor dificuldade em ser absorvida pelas caudalosas tradições populares. Na veia dos melhores contistas do género, o singular produto de um jovem Nikolai Gógol radicado na surreal São Petersburgo vibra com a honestidade dos arquétipos campestres ucranianos, tomando como apoio os seus elementos mais expressivos e calorosos. A narrativa concreta pode variar, como frequentemente influem as personagens e o desenlace individualizado, mas Gógol conserva sempre intacto o seu trunfo, que é o de nunca nos afastar demasiado desse fresco mundo rural de estrita religiosidade pagã, dos seus fabulosos cossacos de Zaporójie, ou das exuberâncias de serões embriagados.

Munido destas tonalidades, o génio de Gógol urde e pincela contos e anedotas, achando ainda tempo para brincar com as figuras de autoridade regional e os costumes na corte czarista de Catarina. E como escreve em terras russas e para russos, os seus contos enumeram as mais deliciosas referências aos velhos costumes ucranianos, com honrarias várias e uma ternura que apenas se poderia esperar de um expatriado voluntário. Corre a metade do livro e o bom prosador já nos falou de grandes feiras, de sabres e arcabuzes, de cantatas natalícias, de delícias culinárias, de cabeleiras cossacas, de superstições sussurradas, de mitos regionais, de partidas de cartas, compondo a traços largos um convidativo quadro de hospitalidade ucraniana.

Qual folhinhas irreverentes, despontam já em alguns parágrafos os primeiros rebentos daquilo que caracterizaria a sua estupenda prosa dos anos tardios. Numa altura em que o seu nascimento é assinalado com 200 anos de existência, até mesmo o seu texto de estreia literária assombra pela sua prosa fácil, rápida, maravilhosamente encadeada e, no final, desarmantemente simples.

Seguimento lógico a estas Noites? Um passeio por Mírgorod, claro!

Uma tentação irresistível? Atacar já O Inspector, comédia em cinco actos  recentemente editada pela Assírio e Alvim (com tradução do casal preferido de todos os russófilos). Ainda está quentinho dos rolamentos editoriais, agarrem-no antes que aborde uma caleche em direcção ao estrangeiro! (nunca me farto desse conto).

Com as etiquetas , ,

2 thoughts on ““Vejam só o que deitou ao mundo um abelheiro qualquer!”

  1. […] Referências: ‘Vejam só o que deitou ao mundo um abelheiro qualquer!’ […]

  2. […] seu período folclórico ucraniano, e foi concebido como a continuação natural do muito divertido Noites na Granja ao Pé de Dikanka. Não é surpreendente que, tal como esse primeiro livro, albergue um conjunto de contos que […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: