O milagre de Clarice Lispector

O desenrolar da prosa de Clarice Lispector fascina-me. Chego mesmo a assustar-me quando leio aquelas linhas rápidas e nebulosas, temendo por aquilo que apenas pode ser descrito como uma tendência para abordar um plano de representações que estamos instintivamente condicionados a evitar a todo o custo. Em conversas, em discursos, nos nossos livros, em gestos; todos debandamos diante do mesmo objecto que interessa Lispector e lhe toma de assalto a construção das suas ideias. Não sabemos falar disso.

Se postularmos que existe –  na simplicidade desarmante da vida que aguarda por ser vertida em texto – um plano abstracto e um plano concreto de representações (como se vê não tenho qualquer inteligência académica para inventar termos), e que ao escrever sobre uma personagem o primeiro corresponderá à dimensão dos seus mais inefáveis e básicos sentimentos e o segundo à manifestação consumada ou até mesmo física do primeiro, se postularmos isso, dizia,  então estaremos aptos a compreender como se ordena e como triunfa – contra tudo o que seria de esperar – a arte de Clarice Lispector. Porque a escritora ataca o entre-plano, elegendo dissecar as suas personagems não por aquilo que fazem, ou tão pouco por aquilo que sentem, mas antes por aquilo que sentem pensar sobre o que sentem. É nesse ingrato momento – eclodindo os primeiros frémitos de um sentimento mas não tendo ainda o pensamento nascido – que descobrimos a lupa e a pena de Lispector auscultando a essência dos dissabores e amores humanos, esses turistas sentimentais e gregários que não conseguem impedir-se de pensar.

Repare-se que mesmo a abordagem estanque de qualquer um dos planos atrás descritos requer perícia considerável. No plano abstracto, lidamos com tonalidades e temperaturas, ondulações descarnadas e incompreensíveis de ódio e paixão. Ainda assim, é possível personalizar aquilo que é abstracto, instintivo, quase animalesco; basta criar uma avenida de comunicação assente num vértice mais ou menos antropomorfizado, e a honestidade que se aplique a esta tarefa será recompensada pelas reacções de aceitação e familiaridade que leitor evidenciará. Neste plano, as coisas não são complexas de se apreender, apenas resistem ao funil da palavra que lhes procura apegar uma etiqueta inequívoca.

Naquilo que é concreto? Por muito complicadas que as suas representações possam ser, temos sempre o melhor dos artifícios: observar a manifestação da realidade e descrevê-la de acordo com a nossa sensibilidade e talento. As inferências e desenvolvimentos podem e devem seguir-se: no limite, falamos todos da mesma coisa (embora alguns – como diria Pascal – compõem melhor as suas palavrinhas).

Ora, depois destas diatribes ocas de quem não tem mais nada para fazer (ou tendo-o, utiliza este local como elemento desculpabilizante da sua inércia relativamente àquilo que algumas pessoas apelidam jocosamente de “o mundo real e as suas obrigações“), depois de tudo isto vamos lá regressar a Clarice Lispector e os seus Laços de Família.

Neste livrinho encontram-se histórias em que os verdadeiros progressos narrativos são internos às camadas concretas dos factos, mas superiores às introspecções que se esperaria de personagens aluadas e abstractas. Quero com isto dizer que a sua prosa se dirige ao que está livre do abstracto e começa apenas muito vagamente a tomar forma enquanto movimento concreto. E é um enorme prazer assistir a Lispector quando trata de escrever sobre os modos de sentir que estão para além do pensamento. Que as suas cuidadas e arestosas palavras pratiquem a arte da universalidade pode ser atribuído ao facto de este plano intermédio ser na verdade a dimensão em que passamos mais tempo das nossas vidas conscientes. Mas também não se pode ignorar o mérito e a coragem evidenciada pela escritora quando decide desbravar caminho por estes trilhos psicológicos, os mesmos que estrebucham até ao seu sopro final perante a ideia ameaçadora de se verem acantonados em palavras destiláveis. Em suma, é esta a técnica que lhe permite discursar  – de entre muitos exemplos – sobre as deambulações etílicas de uma jovem embriagada, os sentimentos de remorso pelo abandono de um animal de estimação, o desmoronar de uma concepção de vida a partir de uma visão externa, o constrangimento de uma festa de aniversário em honra de uma velha imortal, ou as muitas e contraditórias formas que assume o amor. Laços de Família não é um livro de pessoas ou um livro de histórias, mas um conjunto de estados humanos, unidos em torno de uma concepção social de família e sociedade – que alguns procuram franquear ao mesmo tempo que outros o visam absorver.

Como de costume, isto não diz nada. Aguardo agora ansiosamente o momento em que poderei ler alguns dos seus romances (já por cá andam, nas fileiras por cima deste mesmo monitor). Estou especialmente curioso por ver se a sua escrita surge menos domesticada e refreada perante os alongamentos permissivos deste outro formato (muito simplesmente porque tenho em boa fé, por conversas e opiniões recolhidas de terceiros mais sabedores, que a prosa portuguesa desta brasileira ucraniana pode surpreender pelo seu fio cortante de agressividade – uma característica expressiva a que ainda não estaremos tão habituados como, por exemplo, um americano no poente magistral de um século passado de prosadores).

Com as etiquetas

One thought on “O milagre de Clarice Lispector

  1. […] Referências: ‘O milagre de Clarice Lispector‘. […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: