De Chrétien de Troyes ao Pearl Poet; excurso sobre a personificação da moralidade e virtude na poesia arturiana

Onde quer que, entre sombras e dizeres,

Jazas, remoto, sente-te sonhado,

E ergue-te do fundo de não-seres

Para teu novo fado!

Vem, Galaaz com pátria, erguer de novo,

Mas já no auge da suprema prova,

A alma penitente do teu povo

À Eucaristia Nova.

Mestre da Paz, ergue teu gládio ungido,

Excalibur do Fim, em jeito tal

Que sua Luz ao mundo dividido

Revele o Santo Graal!

Fernando Pessoa, Mensagem (Terceiro / O Desejado)

Anteontem, dei por mim a reler despreocupadamente algumas estrofes da eterna Mensagem. Surdindo a referência ao cavaleiro acima enunciado, não foi preciso muito para que a minha mente pulasse para os férteis campos do mito arturiano e das personagens que habitualmente o populam.

Longe de ser um erudito na matéria, nunca me apareceu mais clara do que nesse momento a contraposição entre o registo romântico gaulês (no qual entroncam a maior parte das concepções hoje cultivadas acerca da Távola Redonda) e as origens épicas que o mito conhece em reinos Anglo-saxónicos.

Galahad, ou Galaaz, apresenta-se tradicionalmente com o recorte de um paladino de virtude. Obrando na grande demanda pelo santo Graal, Galahad é, nas correntes caudalosas da tradição romântica francesa, o primeiro dos cavaleiros da Távola, o contraponto virtuoso do adúltero Lancelot. Que não escapem despercebidos, pois, os contornos de Galaaz como um Franj, um templário de entre os cruzados, homem de combate cristão e de espada evangelizadora.

Percorrendo esta tradição, encontramos um outro cavaleiro, Sir Gawain, insistentemente reduzido ao papel de aventureiro. Trata-se de um folião de destreza bélica impressionante, mas mero protagonista de desventuras rocambolescas ou de cortesãs intrigas amorosas.

Dir-se-ia que as duas figuras em nada se assemelham, ou que frutificam a partir de intenções marcadamente díspares naquilo que respeita à encarnação da virtude e moralidade nos membros da corte do rei Artur (foram certamente destinados a ouvintes e leitores diferentes). A fim de prosseguir,torna-se necessário resenhar alguns elementos concretos da tradição literária medieval sobre este ponto.

Comecemos (ainda que não cronologicamente, como abaixo se verá) com Sir Gawain and the Green Knight, o magnífico poema do século XIV. Nesta obra de grande elegância e admirável complexidade temática, reside uma concepção diametralmente oposta do jovem cavaleiro Gawain. Aqui, em terras inglesas e por acção de uma pena inglesa (cuja identidade se perde, ainda hoje, na noite dos tempos, não obstante a troante erudição que prefigura), Gawain é o apogeu da virtude, portador do pentagrama, homem pio e casto que sofre as provações da honra e da compaixão com a rectidão moral do mais santo dos fiéis. Sobre os seus ombros defensores do cristianismo recai a pesada responsabilidade de se comportar como a fonte moral da virtude e bondade em tempos de paz. A Gawain é reservada a mais exigente das tarefas: conjugar a rectidão do cavaleiro com as exigências de um amor cortesão que ditava obediência absoluta aos desejos das damas. Este era um tema recorrente em ambientes de corte: consumada a inflexão cristã nos mores de todos os estratos sociais, o cavaleiro transforma-se numa entidade abstracta e periclitante, que em todos os momentos tem de saber como guerrear e como lidar com as damas da sua companhia que o queiram corromper e a quem jurou obediência completa.

O poema compreende a narração dos seguintes factos: interrompendo um rico banquete da corte do Rei Artur, um desconhecido e cadavérico Cavaleiro Verde desafia um dos ilustres presentes a desferir-lhe um golpe com um machado de guerra. Ele assevera que não se defenderá, mas na hipótese de o golpe não o matar então ser-lhe-á concedido a represália natural de responder ao ataque. Sentindo o incómodo que os tantalizantes desafios do misterioso Cavaleiro Verde lançava por entre os convivas, o jovem Gawain aceita o desafio. Empunhando a grande arma, toma balanço e decapita o Cavaleiro Verde.

O fantasmagórico Cavaleiro Verde (e com esta qualificação recupero um apontamento de C.S. Lewis que reclamava para esta figura espectral a condição de faerie), não é aniquilado pelo fabuloso e mui aplaudido golpe. Sobraçando a sua cabeça, dirige-se gelidamente a Gawain, anunciando-lhe que daí a um ano e um dia aguardaria a sua presença para lhe devolver a fatal estocada!

Já a bordejar o termo deste prazo, Gawain parte ao encontro do demoníaco verdugo, sabendo que vai morrer. A viagem deste condenado assume então os contornos de uma derradeira profissão de fé, em que o cavaleiro errante avança com segurança e serenidade. Nunca se esquece de rezar ou de frequentar a missa, quando possível, e dá graças a Deus por todas as horas em que lhe é permitido viver. Finalmente, avista o castelo de um tal Sir Bertilak, e como levava alguns dias de avanço acede em descansar na companhia dos seus cortesãos.

Na posse destes elementos, estamos agora em condições de regressar com aproveitamento àquilo que é a maior das provações de Gawain, e possivelmente o mais conflituoso dos dilemas internos em todo o mito arturiano. Naquele castelo, o vulnerável cavaleiro resiste castamente à intensa e implacável sedução com que a tenra esposa do seu anfitrião – afinal o próprio Cavaleiro Verde, nas vestes de Sir Bertilak – o atormenta todas as manhãs, enquanto o senhor do castelo e todos os seus cortesãos se ocupam em longínquas actividades de caça. Exaustiva, incansável, a senhora do castelo consegue que Gawain, sucumbindo à sua insustentável sensualidade, aceite como presente uma lasciva cinta durante a terceira manhã. O jovem cavaleiro, ciente da sua suma transgressão, oculta a oferenda dentro da sua armadura e nada diz ao anfitrião mesmo quando este lhe dá a entender que desconfia de algo.

Note-se que a criação arturiana clássica de raiz inglesa nunca sente a necessidade de erguer uma personagem como Galahad como o protagonista de grandes feitos majestosos e redentores. Para isso, já dispunha de Gawain. Ainda assim, Galahad, como abaixo veremos, transformou-se no paradigma social da virtude, e é desse modo que Fernando Pessoa o equipara ao nosso próprio e mui desejado D. Sebastião.

Compreender porque motivo a figura de Galahad foi erguida ao pináculo da pureza implica que analisemos o percurso literário de algumas outras personagens do mito arturiano. E grande parte da resposta reside na maneira como são representados Sir Gawain e Sir Lancelot.

A primeira referência ao adultério de Guinevere com Lancelot du Lac inscreve-se nas obras de Chrétien de Troyes. Lancelot, le Chevalier de la Charrette é escrito no final do século XII e contém grande parte dos temas que seriam desenvolvidos por uma miríade de autores ao longo dos séculos seguintes. Aqui, apenas cabe dar conta de Robert de Boron – outro francês –  que escreve, na viragem do século XII para XIII, sobre a demanda do Santo Graal e lhe confere irremediavelmente os contornos e sentidos cristãos que desde então nunca mais desapareceram.

O próximo marco literário é o da Vulgata, sob cujo nome veio a ser conhecido o ciclo de prosa arturiana do século XIII, tributário de extensa secção dedicada a Lancelot. Nela são retomados a maior parte dos temas que os dois autores acima referenciados ensaiaram, com renovada consistência e unificação estilística (os aditamentos aos escritos de Troyes – por parte de subsequentes autores – ascendem aos milhares de linhas). Por volta de 1230, surge o ciclo da Nova Vulgata, em que o adultério de Lancelot é atenuado e outros floreados se ajuntam. No final de todas estas obras, a moral é clara. Lancelot é o adúltero e o pecador; Galahad – seu filho – a semente luminosa da redenção.

Ora, Sir Gawain and the Green Knight data do século XIV. O poeta inglês escolheu arredar – embora decerto não ignorasse – todo o romantismo de Lancelot e da redenção cristão operada pelo seu filho para se focar outrossim numa personagem que a tradição francesa havia sistematicamente corrompido. Gawain é escudado de qualquer tendência pecaminosa: repare-se que o tema central do poema medieval é a fidelidade e a virtude, e Gawain, ainda que soçobrando aos encantos cortesãos, sai ileso na sua rectidão moral. A vitória de Gawain é, como se vê, a derrota literária de Lancelot, e o prenúncio da inutilidade de uma figura como Galahad nos quadros estritamente ingleses.

Acabei de dizer que Gawain sai ileso do conflito moral em que é colocado, mas isso não é inteiramente verdade. Pois se é certo que Gawain não ofendeu o matrimónio ou a castidade de qualquer personagem – e tão fácil teria sido, a um condenado à morte, possuir apaixonadamente a desejosa esposa de um marido distante! Mas aceitou um presente, cuja dádiva era um sinal claro de um adultério menor. Desiludido, Gawain regressa ileso à corte do Rei Artur. O Cavaleiro Verde não o executa, em razão da sua suma castidade, mas o jovem sente que pecou. Repare-se bem no que o poeta consegue fazer: para um leitor do poema – até mesmo um leitor do século XIV temente a Deus – Gawain não deixar de ser considerado um herói tremendo, um paladino irrepreensível da virtude cristã (ia utilizar a palavra “impecável”, mas não me perdoariam a tautologia). Somente o protagonista central do poema se sente desamparado, um perdedor indigno no seio de acolhedores amigos sem motivos para o regozijo com que exultam a sua chegada. O poema exige de Gawain uma virtude superior à alcançada no desfecho das suas desventuras e, de facto, o jovem cavaleiro é tão puro que nunca chega a ser suficientemente puro.

A visão francesa da corte arturiana, mais rica em intrigas e em personagens de colorações humanas, acabou por vingar como a mais popular. A título de exemplo, considere-se como grande série Prince Valiant, de Foster, entronca nesta visão, o que não impede que, aqui e acolá, surjam regressos mais classicistas, mesmo em boas obras de rotação comercial como as de Bernard Cornwell (onde Lancelot é um lâche deliciosamente odioso, e Gawain, numa viragem absolutamente irónica, tão virtuoso e pio que é sacrificado como um cordeirinho expiatório para alimentar os rituais druídicos de Nimue).

Regressando a registos mais acessíveis, gostava apenas de deixar uma nota sobre uma das mais interessantes demonstrações da derradiera consagração adúltera a que Lancelot foi sujeito. Graham Greene, no seu lindíssimo The End of the Affair, tem uma pequena passagem que alude não só ao episódio como à confusão que ainda persiste em algumas mentes. O diálogo é travado, a meio do século XX, entre Maurice Bendrix e Mr. Parkis, este último não mais do que um detective privado que o amante invejoso colocara no rasto de Sarah Miles. Bendrix, num registo que roça o cómico e termina numa desolação muito em linha com o resto do livro, faz notar a Parkis como se enganou quando deu o nome de Lance ao seu rapazinho.

‘I’ll say he’s feeling ill. We’ve come to the wrong address. They couldn’t help letting him sit down for a while.’

‘It’s in the boy’s capacity,’ Mr Parkis said with pride, ‘and nobody can resist Lance.’

‘He’s called Lance, is he?’

‘After Sir Lancelot, sir. Of the Round Table.’

‘I’m surprised. That was a rather unpleasant episode, surely.’

‘He found the Holy Grail,’ Mr Parkis said.

‘That was Galahad. Lancelot was found in bed with Guinevere.’ Why do we have this desire to tease the innocent? Is it envy? Mr Parkis said sadly, looking across at his boy as though he had betrayed him, ‘I hadn’t heard.’

Com as etiquetas , , ,

One thought on “De Chrétien de Troyes ao Pearl Poet; excurso sobre a personificação da moralidade e virtude na poesia arturiana

  1. E falavas tu do meu texto sobre o Beowulf… Este post é das coisas mais interessantes que já se escreveram sobre o ciclo arturiano na blogosfera (incluindo a estrangeira).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: