Vladimir Nabokov educa o povo

Os entomologistas são uma espécie estranha. Sobretudo quando também são grandes escritores.

Ao rever alguma velha papelada sobre Kafka e a sua Die Verwandlung (A Metamorfose) encontrei uma referência a uma palestra dada por Vladimir Nabokov, que decide agarrar o touro pelos cornos e embarcar numa importante demanda pela esguia resposta ao problema que tem ocupado todas as grandes mentes ocidentais (e orientais, porque não?) desde o ano de nosso Senhor de 1915 e que é vital para a sobrevivência do mundo e a interpretação do cânone literário europeu: mas afinal que raio de bicho era Gregor Samsa?

Bom, à partida era um insecto grande, uma espécie de barata ou escaravelho, possivelmente um grilo gordo? Homessa, nunca viram as capas, ou a banda desenhada de Robert Crumb? Além disso, a carapaça das suas costas tinha de pelo menos ser proporcionalmente maior que a sua parte dianteira, de modo a comportar a fatídica maçã que apodrecia na sua carne.

Mas esperem, e que tal olhar para o alemão? Afinal de contas, a palavra deve ter sido escrita, não sei, talvez por Kafka. E Franz Kafka utiliza o termo Ungeziefer.

Vitória! Gregor Samsa era um Ungeziefer.

O problema é que ninguém sabe o que raio é um Ungeziefer. Nem sequer os germânicos, que utilizam a palavra para designar uma espécie geral de insecto ou bicho sujo e repelente. Pois aqui não encontraremos a resposta a este importante dilema.

Mas António, seu tontinho, não te lembras daquele diálogo onde a espécie de Samsa é referida por uma velhinha?

Ah, pois é, tens toda a razão, deixa-me ir ver qual é a palavra!

Mistkäfer.

Mas… isso é um escaravelho do esterco! Gregor, um escaravelho do esterco!

Bem, admito que falhei. Não consigo imaginar que insecto tinha Kafka em mente quando escreveu a triste história da família de Gregor Samsa (sim, essa é a minha interpretação do desfecho, e nisso sou um bocado casmurro). Mas felizmente temos Vladimir Vladimirovich Nabokov para ensinar o povo. Parece inacreditável, bem sei, mas ele conseguiu mesmo descobrir em que género de animal Gregor Samsa.

E agora também vocês poderão descobri-lo, se reservarem três quartos de hora do vosso tempo e lerem a sua aula até ao fim (e olharem para os desenhos fofinhos dos escaravelhos)!

A concluir, não resisto a deixar uma daquelas frases que são puramente Nabokovianas na sua veia académica.

Before starting to talk of “The Metamorphosis,” I want to dismiss two points of view. I want to dismiss completely Max Brod’s opinion that the category of sainthood, not that of literature, is the only one that can be applied to the understanding of Kafka’s writings. Kafka was first of all an artist, and although it may be maintained that every artist is a manner of saint (I feel that very clearly myself), I do not think that any religious implications can be read into Kafka’s genius.

Com as etiquetas ,

2 thoughts on “Vladimir Nabokov educa o povo

  1. reharl diz:

    Não resisti a taggar isto como Escaravelhos do Esterco. Uma oportunidade como estas não surge muitas vezes.

  2. Guilherme diz:

    Tentei acessar o link, mas, como é antigo, está quebrado. Você tem o material no PC para enviar via email?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: